Destaques Empresariais

Como Definir o Preço com Lucro? Parte 2

Posted on: 25/01/2016

No artigo de hoje da série iniciada na semana passada para auxiliar as pequenas empresas a precificar tratarei do tema CAPACIDADE PRODUTIVA, destacando sua importância e a maneira de calculá-la.

Conforme apresentado na semana passada darei continuidade à série para auxiliar pequenas e médias empresas a formar um método – testado e aprovado – de precificação de serviços e mercadorias. Para os exemplos adotaremos o princípio de que o produto ou serviço já existe e está sendo comercializado. A dúvida é saber se gera lucro.

A capacidade produtiva é a quantidade máxima possível de produção de serviço ou produto que pode ser medida por hora, dia, semana ou mês, bem como por funcionário, setor ou empresa. Dependendo da forma de trabalho o volume de produção pode variar significativamente. Conhecer a capacidade máxima de produção e fazer a medição constante também impactará expressivamente no aumento e o fator qualidade deverá ser parte integrante do início até a finalização do produto/serviço.

Empresas que desconhecem o potencial produtivo e, portanto, deixam de cobrar os trabalhadores por resultados periódicos – quanto menor o tempo, melhor – consomem maior tempo e, consequentemente, têm custo produtivo maior. O resultado final é preço de venda alto e/ou margem de lucro baixa, fatores que atrapalham a comercialização e a lucratividade.

Iniciemos com uma empresa prestadora de serviços de lavação de veículos que possua um funcionário na lavação, dois para secar e fazer a limpeza interna e um para o enceramento e espelhamento, além, claro, do funcionário administrativo, mas este não importa para o cálculo da capacidade produtiva, uma vez que não atua nela. Com o exemplo será possível implantar a metodologia em qualquer ramo de atividade, inclusive na indústria.

Como saber qual é a capacidade produtiva, ou seja, qual é a quantidade de veículos possível de lavar, limpar, encerar e espelhar? Sabemos que alguns clientes dispensam o serviço completo em seus veículos, então maior atenção deve ser voltada a cada serviço. Identificaremos a capacidade produtiva por setor e, quando necessário, por tipo de serviço.

Primeiramente deve-se cronometrar o tempo que um profissional de bom nível usa para executar cada uma das tarefas. Para ilustrar citarei alguns exemplos, mas destaco que os tempos são meramente ilustrativos. Não serei muito detalhista, pois o importante é apresentar a metodologia de cálculo. Se você presta serviço nesta área de lavação peço que ignore o tempo, faça a cronometragem e, se puder, compare com outras empresas.

Serviço Veículo Pequeno

Lavação de aparência ou meia lavação 10 minutos

Lavação completa 20 minutos

Secagem 15 minutos

Limpeza interna 30 minutos

Enceramento 60 minutos

Espelhamento 90 minutos

Sabe-se que a execução do mesmo serviço num automóvel grande demandará mais tempo. A média pode e deve ser analisada para incluir na distribuição entre veículos grandes e pequenos. Os trabalhadores fazem oito (8) horas diárias, exceto na segunda-feira, que são quatro (4), mas considerando pequenos atrasos e o intervalo para o café ajustamos o tempo produtivo diário médio para sete horas e meia (7:30), ou seja, 450 minutos. Com base nestas informações calculemos a capacidade produtiva diária de cada setor.

Setor A B C D

Lavação A01 B450

Aparência C10 D05

Completa C20 D20

Limpeza A02 B900

Secar C15 D20

Limpar C30 D20

Acabamento A01 B450

Encerrar C60 D03

Espelhar C90 D03

Sendo:

A = número de funcionários

B = minutos produtivos por dia normal

C = minutos cronometrados para executar o serviço

D = número possível de veículos pequenos por dia (capacidade)

Então concluímos que esta empresa de lavação consegue produzir diariamente 20 veículos pequenos (lavação e limpeza), cinco veículos para a lavação de aparência, e enceramento e espelhamento de três veículos pequenos.

Naturalmente a distribuição pode ser feita incluindo veículos grandes e outros serviços, mas acredito ter sido possível identificar como proceder e, mais ainda, a importância de conhecer a capacidade da empresa para cobrar o resultado final ou a necessidade de contratar – ou não – mais funcionários.

Com o conhecimento de todo o processo produtivo fica fácil identificar gargalos, ociosidade e outros problemas, como a baixa produtividade da equipe.

Espero tê-lo ajudado. Se deseja entrar em contato para comentários ou informações não contempladas neste artigo escreva para gilmarduarte@dygran.com.br

Gilmar Duarte é palestrante, contador, diretor do Grupo Dygran, autor dos livros “Honorários Contábeis” e “Como ganhar dinheiro na prestação de serviços” e membro da Copsec do Sescap/PR.

Com esta obra o pequeno e médio empresário terá condições de compreender a importância da precificação correta para a sobrevivência de qualquer organização e comprovará que a mesma é menos complexa do que parece, sentindo-se motivado a implantá-la na sua empresa prestadora de serviços!Totalmente atualizada e com linguagem acessível!  Guia para implementação de cálculo do preço de serviços contábeis e correlatos. Escritórios contábeis e profissionais de contabilidade têm um dilema: quanto cobrar de seus clientes? Agora chega às suas mãos um guia prático, passo-a-passo, de como fazer este cálculo de forma adequada. Com linguagem acessível, a obra facilita ao profissional contábil determinar com máxima precisão o preço de seus serviços a clientes e potenciais clientes.Clique aqui para mais informações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: